segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

A União com Cristo


Muitas vezes olhar para Jesus como igual a nós é algo que parece completamente absurdo. Sua santidade, sua pureza, confrontados com nossa frágil humanidade corrompida, nos faz colocá-lo a uma considerável distância. Unir-se a Jesus não é o mesmo que dividir a vida com outro ser humano. A identificação é difícil. E o que era para gerar integração e união pode se transformar em uma total separação.

Mas o princípio para o qual Deus nos chamou para viver é baseado na comunhão com Ele e com o próximo – não necessariamente como um relacionamento humano, que se torna mais fácil de acordo com a empatia. Por isso, necessitamos de um total desprendimento do que somos para nos unirmos a Ele.

Essa união se concretizada, é tão intensa que nos fará assumirmos a forma de Cristo.
Para tanto, seu convite a nós é: Negue-se a si mesmo”. Jesus deseja unir-se ao homem porque o homem foi criado para ser um com Deus. Não somos aquilo pelo qual fomos criados para ser, e o processo de restauração envolve perdas que gerarão ganhos não necessariamente imediatos.

O negar-se a si mesmo pode implicar em uma nova mentalidade diante da vida. Começaremos a ver as coisas com os olhos de Cristo; não de baixo para cima, mas de cima para baixo. Explico: na comunhão com Cristo até os conceitos de vitória e derrota se modificam completamente.

Um rei surrado, humilhado e pendurado numa cruz parece absurdamente derrotado. Seus seguidores sendo massacrados por leões nas arenas romanas não parecem estar triunfando. As pessoas que ainda hoje seguem os ensinamentos de Cristo podem em várias situações parecer fracassadas. A questão é que a vitória, humanamente falando, não vai além do que os olhos vêem. As vitórias proporcionadas por Deus têm um eco eterno.

João Eduardo Cruz, em "Como o Nascer do Sol" (os grifos são meus)



«Quanto mais deixamos que Deus assuma o controle sobre nós, mais autênticos nos tornamos - pois foi ele quem nos fez. Ele inventou todas as diferentes pessoas que eu e você tencionávamos ser (...) É quando me viro para Cristo e me rendo à sua personalidade que pela primeira vez começo a ter minha própria e real personalidade.» - C.S. Lewis

«Ser cristão é viver em Cristo e a partir de Cristo como filho bem amado de Deus Pai.» - Jovens Redentoristas

«Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.» - Gálatas 2, 20

Um comentário:

Marlene disse...

Que bom ver um texto do livro de meu esposo aqui. Muito obrigada pelo carinho.
Um blog abençoador esse seu.

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]