quinta-feira, 25 de agosto de 2011

QUEM SOU EU?

«Viver com a percepção de quanto somos amados é o eixo em torno do qual gira a vida cristã. Ser amados é a nossa identidade, o âmago da nossa existência. Não se trata apenas de um pensamento que reflete o nosso senso de grandeza. É o nome pelo qual Deus nos conhece, e o meio de Ele se relacionar connosco (Ap 2:17).

Quando preciso buscar uma identidade externa a mim, sou então atraído pelo acúmulo de riquezas, poder e honra. Posso também encontrar o meu centro gravitacional nos relacionamentos. Quando extraio vida e significado de qualquer outra fonte que não o fato de eu ser amado, estou espiritualmente morto. (...)

"Quem sou eu?", perguntou Thomas Merton, ao que ele mesmo respondeu: "Sou alguém amado por Cristo»

Brennan Manning, em "O Obstinado amor de Deus"

terça-feira, 23 de agosto de 2011

É O AMOR!

«Um dia, estava S. Agostinho diante do Sacrário a desabafar o coração:

Meu Jesus, amo-Vos, amo-Vos com todas as minhas forças, e porque Vos amo, arrependo-me de haver-Vos ofendido tantas vezes na minha vida passada.

E ouviu uma voz que lhe disse:

– Agostinho, quanto Me amas?

– Senhor, se o sangue das minhas veias fosse azeite, eu quereria que esse azeite se consumisse por vosso amor, como se consome o azeite desta lâmpada, que arde diante do vosso tabernáculo.

– Agostinho, nada mais? – repetiu a voz.

– Senhor, amo-Vos tanto, tanto, que se os meus ossos fossem velas, queria que se derretessem de amor, como se derretem estas velas que alumiam o vosso altar.

– Agostinho, nada mais?

– Senhor, amo-Vos tanto, tanto, que se eu tivesse tantos corações como há de estrelas no céu, e gotas de água no oceano, e areias na praia, e átomos no espaço, com esses corações eu Vos quisera amar.

– Agostinho, nada mais?

Então olhando através das suas lágrimas a porta do sacrário, encontrou a resposta digna da sua inteligência extraordinária e da sua santidade:

– Senhor, como quereis que eu Vos ame mais, se o coração humano já não pode amar mais? Mas Senhor, eu amo-Vos tanto, tanto, que, se Vós fosseis Agostinho e eu fosse Deus, eu deixaria de ser Deus para que Vós o fosseis, e contentar-me-ia com ser o pobre Agostinho!

– Agostinho, isso é o Amor! – foi a resposta divina.» 

domingo, 21 de agosto de 2011

A VONTADE DE DEUS

«Renuncia-te a ti mesmo, toma a tua cruz e segue-me.» (Mt 16,24).


«Nada faz de alguém um verdadeiro ser humano, senão a renúncia à sua vontade. Em verdade, sem renúncia à vontade própria em todas as coisas nada conseguiremos perante Deus. (...)
Tu deves entregar-te a Deus com absolutamente tudo, e não te preocupares com o que Ele faz do que é seu. (...)

Só será uma vontade perfeita e verdadeira, aquela que entrar inteiramente na vontade de Deus, despojada de vontade própria. E quem mais longe tiver ido neste ponto, tanto mais e mais verdadeiramente terá ascendido a Deus. (...)

Em verdade, um homem que se tenha despojado inteiramente do que é seu estará de tal modo envolvido por Deus, que nenhuma criatura o conseguirá tocar, sem tocar primeiro em Deus; e aquilo que deverá chegar até ele, deverá primeiro passar por Deus; aí receberá primeiro o seu sabor e tornar-se-á divino.»


Mestre Eckhart, em "Tratados e Sermões"

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

UM CORAÇÃO NOVO

«A transformação espiritual não se reduz a evitar o pecado.
Deus quer mudar nosso modo de escolher, não apenas nossas escolhas.
Deus quer nos dar um transplante de coração - o coração de Deus em troca do nosso coração de obstinação egocêntrica empedernida. E então Deus nos convida a 
deixar que esse novo coração dirija nossas escolhas, um coração redimido que guia escolhas redimidas.» 

David G. Benner, em "Desejar a vontade de Deus"

terça-feira, 16 de agosto de 2011

O AMOR DE DEUS

«Não é possível entrar em competição para ver quem é que ganha o amor de Deus. 
O amor de Deus é um amor que abraça a todos - cada um na sua própria unicidade. 
Só quando reivindicamos o nosso lugar no amor de Deus é que podemos experimentar o abraço total desse mesmo e incomparável amor e sentirmo-nos em segurança, não só em relação a Deus mas também em relação a todos os irmãos e irmãs. »

Henri Nouwen, em "Viver é Ser Amado"

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

AMAR OS INIMIGOS

"Não amas tu os que te amam? Quase toda a gente pode fazer isso, sem precisar do Evangelho. 
Cristo, porém, faz chegar até nós este apelo quase incompreensível: amar mesmo aqueles que nos fazem mal e orar por eles. "(ver Mateus 5, 44)


Irmão Roger, de Taizé

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

«TU AMAS-ME?»

"Na sua vida terrena, Jesus precisa de ouvir uma voz humana dizer-lhe: «Tu sabes que te amo.» Por três vezes, pergunta a Pedro: «Tu amas-me?» (João 21, 15-17) Cristo coloca-nos, a cada um, esta mesma questão, antiga e sempre nova. «Tu amas-me?» E a cada um pede para velar por aqueles que lhe são confiados.


Irmão Roger, de Taizé, em "Viver em tudo a Paz do Coração"

domingo, 7 de agosto de 2011

O FOGO DO AMOR DE DEUS

"Dizia assim um cristão do Bangladesh, referindo-se àqueles que, à sua volta, nada sabiam de Cristo: «Quando o fogo do amor de Deus está em nós, não há-de Ele brilhar à nossa volta, mesmo sem nós o sabermos?» 


Irmão Roger, de Taizé, em "Viver em tudo a Paz do Coração"

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

OS DONS DE DEUS

«Eis o que há de mais bonito na minha vida: compreender, na intimidade de um encontro pessoal, uma pessoa na sua globalidade, marcada ao mesmo tempo por dramas ou rupturas interiores e por dons insubstituíveis. Através destes dons, a vida em Deus de uma pessoa pode realizar tudo...

Não é suficiente partilhar as coisas que violentam uma pessoa no seu interior. É preciso ainda procurar o dom específico que Deus pôs nela, eixo de toda a sua existência. E abrem-se caminhos quando este ou aqueles dons são completamente expostos à luz.»


Irmão Roger, de Taizé

terça-feira, 2 de agosto de 2011

PALAVRAS

"Teria gostado de passar a vida sem dizer palavra ou dizer apenas as necessárias à vinda do amor e da luz..."


Christian Bobin, em "Ressuscitar"

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]