sexta-feira, 18 de abril de 2008

Viver o Amor

«Nunca se alcançou nada de uma vez para sempre. Não nos podemos instalar no amor. O amor vive-se. Cresce, desenvolve-se, progride sempre, ou então começa a enfraquecer.

Talvez devamos desconfiar de um amor encolhido, de um coração que dá sem se dar, de uma vontade que se oferece sem se entregar totalmente, de uma liberdade que se afirma, mas não se constroí plenamente. Lealmente, diante de Deus, vejamos se o vidro dos nosso olhos, do nosso coração, da nossa vontade, da nossa Liberdade, da nossa sensibilidade não estará um pouco escurecido, a ponto de não permitir que o raio do amor de Deus nos penetre inteiramente. Vidro escurecido pelas nuvens da tibieza, do pouco-mais-ou-menos, da falta de generosidade, do deixar-correr. Vidro escurecido pelas manchas, por mais pequenas que sejam, mas que acabam por empobrecer o amor, por impedir os impulsos do amor, por diminuir as capacidades de se dar verdadeiramente. De facto, amar pouco mais ou menos já não é amar. (...)»

Pe. Constant Tonnelier, em "Quinze dias com São João da Cruz"

3 comentários:

Nelson Viana disse...

Olá Paulo. Deixo-te aqui alguns pensamentos pessoais sobre o Amor:

--O Amor de Deus é maior por uma só pessoa, do que o amor de todo o mundo por Deus.

--Quanto maior necessidade sentires em amar, mais amor terás para dar.

--Amar cura as nossas feridas, mas principalmente cura as feridas dos outros.

--Quem ama sabe perdoar e quem perdoa sabe amar.

Mas "ninguém tem mais amor do que quem dá a vida pelos seus amigos"
(João 15, 13).

Abraço em Cristo

Nelson

Renatinha disse...

Olá, Paulo!

É a primeira vez que visito o seu blog e digo que ele é inspirador.
Faz aumentar mais a vontade de mergulhar em Deus!
Obrigado, Senhor por este espaço.
Que Jesus continue te iluminando!!!

Uma abraço fraterno,

Renata.

Paulo Costa disse...

Olá Renata!
Obrigado pela visita. Serás sempre bem recebida e acolhida neste espaço.
Que Deus te abençoe e guarde!
Abraço fraterno em Cristo Jesus.

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]