quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Dominique Voillaume - Viver para Deus(1ª parte)


Dominique Voillaume é para a maioria de nós um completo desconhecido, um ser anónimo, um nome estranho. Para mim, também o era, até conhecer um pouco da sua história de vida através das palavras de Brennan Manning.

Brennan Manning conviveu muito de perto com Dominque, viveu e partilhou existência comunitária com ele. A forma como ele descreve o modo de vida, a maneira de ser, a capacidade de amar e doar-se de Dominique não nos pode deixar indiferentes perante o seu exemplo de serviço a Deus e ao próximo; o seu testemunho simples de fidelidade ao amor de Deus.

Eu não podia deixar de partilhar esta história real com todos vós, caros leitores, amigos, irmaõs...
Estou certo que todos os que lerem esta história serão enriquecidos e receberão motivação especial e forte encorajamento para prosseguir no Caminho.

O texto é extenso, por isso dividi-o em duas partes. Se Deus quiser, a 2ª parte será postada amanhã.

Brennan Manning diz: "Dominique Voillaume influenciou a minha vida como poucas pessoas fizeram...". Apesar de não conhecer pessoalmente Dominique, posso afirmar que o pouco que conheço do seu testemunho de vida influenciou profundamente a minha maneira de olhar e compreender o mundo, as pessoas, o perdão, o amor, o Evangelho...

Eis uma forma verdadeira, autêntica, simples, despojada, desinteressada e honesta de viver o Evangelho, de obedecer ao mandamento essencial que o Mestre Jesus nos deixou: «O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.» (João 15:12)

«Dominique Voillaume influenciou a minha vida como poucas pessoas fizeram. Certa manhã de ano novo em Saint-Remy, na França, sete de nós na comunidade dos Irmãozinhos de Jesus estávamos sentados ao redor de uma mesa numa antiga casa de pedra. Estávamos vivendo uma vida contemplativa e sem clausura entre os pobres, tendo os dias devotados ao trabalho manual e as noites envolvidas em silêncio e oração.
A mesa do café da manhã ganhou ânimo quando a nossa conversa direccionou-se para o nosso ofício diário. Um irmão alemão observou que o nosso salário estava abaixo do mínimo (sessenta centavos por hora). Comentei que os nossos empregadores nunca eram vistos na igreja da paróquia no domingo de manhã. Um irmão francês sugeriu que isso demonstrava hipocrisia. Um irmão espanhol disse que eles eram grosseiros e gananciosos. A tonalidade foi tornando-se mais cáustica e as salvas mais inclementes. Concluímos que os nossos patrões avarentos eram cretinos, mesquinhos e egocêntricos, que dormiam o domingo inteiro e jamais alçavam a mente em acção de graças a Deus.

Dominique estava sentado na ponta da mesa. Ao longo de toda a nossa discussão ele não havia aberto a boca. Olhei de relance para a ponta da mesa e vi lágrimas rolando ao longo das suas faces.
- Qual é o problema, Dominique? - perguntei.
A sua voz era quase inaudível. Tudo o que ele disse foi:
- Ils ne comprennent pas.
Eles não entendem.

Quantas vezes desde aquela manhã de ano novo essa única frase foi capaz de transformar o meu ressentimento em compaixão?
Quantas vezes tenho relido a história de paixão de Jesus nos evangelhos através dos olhos de Dominique Voillaume, visto Jesus nos espasmos da agonia da morte, espancado e intimidado, flagelado e cuspido, dizendo: "Pai, perdoa-os, ils ne comprennent pas".

No ano seguinte, Dominique, um sujeito esguio e musculoso de um metro e noventa de altura, sempre usando uma boina azul-marinho, descobriu aos 54 anos que estava a morrer de um cancro inoperável. Com a permissão da comunidade ele mudou-se para uma vizinhança pobre de Paris e começou a trabalhar como guarda nocturno numa fábrica. Voltando para casa todas as manhãs às oito ele ia directamente para um parquezinho no lado oposto da rua em que vivia e sentava-se num banco de madeira. Vadiando pelo parque havia marginais - vagabundos, bêbados e fracassados, velhos sujos que olhavam provocativamente as mulheres que passavam.
Dominique nunca os criticava, censurava ou repreendia. Ele ria, contava histórias, dividia os doces que trazia, aceitava-os como eram. Por viver tanto tempo do seu santuário interior ele transmitia uma paz, um sereno senso de autodomínio e hospitalidade de coração que levava os jovens cínicos e velhos derrotados a gravitarem ao redor dele como ovos ao redor do bacon. O seu testemunho simples consistia em aceitar os outros como eram sem fazer perguntas e permitindo que eles se sentissem em casa no seu coração. Dominique foi a pessoa menos incriminatória que jamais conheci. Ele amava com o coração de Jesus Cristo». (continua)


Brennan Manning, em "A assinatura de Jesus"

Um comentário:

Alice disse...

olá Paulo !! será uma honra pra mim ver publicado meu texto em seu blog ... vc pra mim é um dos mais abençoados pregadores da Palavra de Deus e esse seu cantinho tem sido pra mim como uma mesa farta de pão.
Sinta-se a vontade.
Abraços
Alice

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]