domingo, 4 de maio de 2008

Amar e orar

"... O ponto de partida para entrar em oração é o de exercitar na fé a consciência de ser amado por Deus. Ser amado significa imensas coisas, mas baste-nos isto para já: é ser desejado, querido, acolhido e escolhido, aceite e respeitado, cada um como é com todas as suas qualidades e com todos os seus defeitos.
Deus acolhe cada um assim mesmo como é e não como deveria ser, pois o que cada um devia ser mas não é nem sequer existe. Deus não ama o que não existe. Se Deus amasse esse ser ideal, perfeito, criava-o porque amar e criar são acções simultâneas em Deus. Só existe de facto a realidade do que cada um é no presente com suas grandezas e misérias.
É a esse homem real que Deus ama, respeita, acolhe e escolhe, com predilecções que a nossa inteligência não pode sequer entender.
A consciência de ser amado por Deus vai ganhando corpo quando se insiste na oração e na contemplação silenciosa da vida de Jesus Cristo." - Luís Rocha e Melo S. J. , em "Se tu soubesses dom de Deus"

4 comentários:

Ashley disse...

Olá!!!
Estava passeando pelos blogs e achei esse
gostei daqui!!!
último post mt lindo
=D
sou nova na vida cristã e no blog

Parabéns belo blog!!!
=)

Maria João disse...

E é tão bom saber que Ele nos ama....

Bons livros, Paulo! Continua a ser assim, o rosto de Cristo!

beijos em Cristo e Maria

Maria João disse...

Olá!

Há pouco não o disse... Obrigado pela "distinção". Geralmente não faço um post, mas agradeço ... em nome do Espírito Santo...

Tenho-te ajudado na caminhda.... Tu também me ajudas na minha.

beijos em Cristo e Maria

Nelson Viana disse...

“A consciência de ser amado por Deus vai ganhando corpo quando se insiste na oração e na contemplação silenciosa da vida de Jesus Cristo”

Esta é a grande verdade da oração: o silêncio.

Recordo algumas palavras de um livro sobre oração:

“...Lembra-te que a oração é essencialmente um encontro. É uma relação amorosa: de Deus por ti e de ti por Deus.
Tu cria a relação: recebe Deus com pobreza e com amor. E deixa-te amar. Recorda que orar é: “uma consciência pobre, aberta ao Amor”.
Estás relacionando-te com o teu Pai, como Jesus, e em Jesus. E podes deixar essa relação em silêncio, submergindo-te nela:
- dando-te conta de Deus com amor em silêncio
- deixando-te amar por Deus em silêncio.
A consciência, liberta de palavras, submerge-se, aprofunda-se, silencia-se...”

”...Deixa que a tua mente se afunde
no profundo de Deus,
que, ainda que não ouças as suas palavras,
em silêncio diz duas:
uma é o seu Filho Jesus;
e a outra, no seu silêncio,
no seu silêncio, és tu...”

In, Uma Cabana no Bosque, Nicolás Caballero, sacerdote claretiano

Um abraço fraterno,

Nelson Viana

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]