segunda-feira, 12 de maio de 2008

Abandono

"Se entrarmos dentro de Jesus, se descermos até aos fundamentos da Sua pessoa e ali explorarmos os impulsos que estão na origem das Suas inclinações e aspirações, das Suas intenções e dos Seus desejos, e sobretudo se nos pusermos à busca da força secreta capaz de nos explicar tanta grandeza moral, a única coisa que encontraremos será o abandono, cumprir a vontade do Pai.
É este o seu alimento e a sua respiração. A vontade do Pai sustenta e dá sentido à sua vida. Viveu como uma criança pequena e feliz, levado nos braços de Seu Pai: «Aqui estou para fazer a Tua vontade. Eu o quero, meu Deus, e a Tua lei levo-a nas minhas entranhas» (Sal. 39).

Para Jesus, abandonar-se significou sair do seu próprio interesse e entregar-se ao Outro, repousando confiadamente a Sua cabeça e a Sua vida nas mãos do Seu querido Pai.

O acto de abandono é, pois, uma transmissão de domínio, o dar o «eu» a um «tu»...

Abandonar-se é entregar-se com amor a Alguém que me quer e eu quero-o, e porque o quero, entrego-me." - Ignacio Larrañaga, em "Mostra-me o Teu Rosto"

2 comentários:

Viviana disse...

È verdade Paulo.

O nosso querido Mestre e Senhor Jesus Cristo, despojou-se de tudo, e anulou-se a si mesmo como homem... para execurar fielmente e cabalmente, só, e tão só, a vontade do Pai.


Um grande abraço no amor dEle

viviana

Padre Sandro disse...

Olá, Paulo!
caríssimo,
a cada dia que passa são mais visíveis os frutos da sua busca. Suas leituras e a sua sensibilidade fazem bem aos que te lêem. Abandono, amor, comunhão e tantos outros temas abundantes nesse seu blog!
fique bem
pax + + +

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]