domingo, 15 de julho de 2007

Mobilidade Descendente

A vida de compaixão é a vida da mobilidade descendente! Numa sociedade em que a mobilidade ascendente é a norma, a mobilidade descendente não só não é encorajada como inclusivamente é considerada imprudente, pouco saudável, senão mesmo completamente estúpida. Quem será que escolhe livremente um emprego mal pago quando lhe é oferecido um outro bem pago? Quem será que escolhe a pobreza quando a riqueza está ao seu alcance? Quem será que escolhe um lugar escondido quando há um lugar na ribalta da vida? Quem será que opta por viver por uma única pessoa com graves carências quando poderia ajudar muitos ao mesmo tempo? Quem será que escolhe retirar-se para um lugar de solidão e oração quando há tantas exigências urgentes em toda a parte? Toda a minha vida, fui encorajado por gente bem intencionada a «subir na escala» e o argumento mais comum era: «Nessa posição, pode fazer tanto bem a tanta gente!»Mas essas vozes chamando-me à mobilidade ascendente estão completamente ausentes do Evangelho. Jesus diz: «Quem ama a sua vida, perdê-la-á e quem odiar a sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna» (João 12, 25). E diz mais: «Se não vos fizerdes como crianças nunca entrareis no reino dos céus» (Mateus 18, 3). E finalmente diz: «Vós sabeis que os chefes das nações as governam como seus senhores e que os grandes exercem sobre elas o seu poder. Não seja assim entre vós. Ao contrário, quem quiser fazer-se grande entre vós, seja o vosso servo; e quem quiser ser o primeiro no meio de vós, seja vosso escravo. Assim fez o Filho do Homem que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida pelo resgate de muitos» (Mateus 20, 25-28).Esta é a via da mobilidade descendente, a via descendente de Jesus. É a via que leva aos pobres, aos que sofrem, aos marginalizados, aos prisioneiros, aos refugiados, aos que estão sós, aos esfomeados, aos moribundos, aos torturados, aos sem-tecto - a todos os que pedem compaixão. O que é que eles têm a oferecer em troca? Nem sucesso, nem popularidade, nem poder, mas a alegria e a paz dos filhos de Deus.

Henri Nouwen, Aqui e Agora

6 comentários:

sonia farmaceutica disse...

Este teu post dá que pensar. Porque nos preocupamos sempre em subir em vez de nos fazermos pequenos como diz aquele canção que cantamos com as crianças"se queres que Jesus cresça faz-te mais pequenino". Jesus veio como aquele que serve. E nós? Queremos servir ou ser servidos? Conseguimos descer do pedestal onde nos colocamos até quem precisa de nós ou continuamos no pedestal a olhar os outros de cima?????

Maria João disse...

Gostei muito deste post. Esta é a verdade. Quem quer amar como Jesus, não pode querer ser famoso, ter as glórias. Tem de saber que tudo acontece por graça de Deus. Ele é que nos dá o dom do amor e da entrega a Ele e ao próximo.Tudo o que fazemos é por Ele e com Ele.

beijos em Cristo

Flôr disse...

Eu quero servir.....
com humildade, com alegria, com disponibilidade no meu coração, com entrega de corpo e alma, eu quero parecer-me com Ele.... no amor com que amou... na entrega completa com que se entregou...

Oh Deus... ajuda-nos a sermos cada vez mais parecidos com Jesus...

Beijoca florida no amor do Senhor

Flor

Laurie Marie disse...

Parabens pela postagem e obrigada tambem pela postagem Nos passos de Jesus.

Luis Carlos disse...

Olá Paulo,

Acho que a hierarquia católica não deve gostar do conteudo deste texto, tanto lhes custou a subir no ranking dos mais amados de Jesus, e agora estás a pedir para eles desçam até às pessoas.

Muito interessantes este texto.

Até já,
Luís Carlos

Vilma disse...

É verdade. O nsso Mestre muito sabiamente disse que Ele não veio para ser servido, mas para servir. Isto é dificil de engolir na nossa sociedade!
Tenho um desafio para ti Paulo! ;)
DTA

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]