domingo, 31 de janeiro de 2010

UMA FOLHA NÃO É UM LIVRO...

«Quando Jesus fala de perdão corta o mal pela raiz. Ensina-nos a relativizar o nosso eu. Sugere que nos desviemos uns milímetros do centro do mundo e seremos menos atingidos pelas setas que se desprendem do quotidiano. Sugere-nos que vejamos melhor os outros.

Uma folha não é um livro nem um degrau é uma escada.

Não se define um amigo ou um estranho, por meia dúzia de palavras que disse a nosso respeito, ou mesmo por alguma atitude reprovável que acerca de nós tenha tomado.

O cristianismo não defende uma moral de patetas pseudo-insensíveis à realidade que os circunda. Convida a uma atitude inteligente e pacífica que saiba relativizar as limitações dos outros, mesmo quando as consequências incidem sobre a nossa pessoa.
Acredito cada vez mais que quem não entendeu isto dificilmente chegará a viver a experiência da Paz. E nunca descobrirá a profundidade e até a beleza do perdão.

Uma folha não é um livro nem um degrau é uma escada.

Henrique Manuel, em "Mas Há Sinais..."

2 comentários:

Déia disse...

Olá! Encontrei teu blog no "União de blogs católicos". Gostei muito das mensagens. Deixo-te uma frase de São Francisco de Assis: "Pois bem, se eu tiver tido paciência e permanecer imperturbável, digo-te que aí está a verdadeira alegria, a verdadeira virtude e salvação da alma". Pax.

Ana Paula Dias disse...

Olá, Bom dia!
Como sempre as suas mensagens, são de facto merecedoras de reflexão, e mais uma vez nunca devemos disisti de proclamar a n/Fé em Jesus, e o que importa é que ela seja verdadeira e salvífica.
Que não seja uma Fé somente vivida na teoria, mas sim uma Fé que nos leve à prática com todos os n/irmãos em todas as realidades da vida.
Obrigado, mais um vez!
Ana Paula Dias

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]