segunda-feira, 10 de novembro de 2008

"BASTA-TE A MINHA GRAÇA"


«Há uma tão incrível quantidade de luzes de graça a penetrar mesmo a alma má e perversa, que vemos salvo aquele que parecia perdido.
Mas, jamais se viu deixar-se impregnar o que era envernizado, repassar o que era impermeável, nem se viu tornar brando o que era duro...
Daqui provém as numerosas falhas que observamos na eficácia da graça que, enquanto alcança vitórias inesperadas nas almas dos grandes pecadores, com frequência fica inoperante nas pessoas de "bem".

A sua pele moral invariavelmente intacta tornou-se para eles rija como couro e couraça lisa impenetrável, sem beliscadura. Esses não apresentam aquela abertura produzida por ferida dolorosa, nem por algum inesquecível tormento, nem sequer aquela dor jamais superada, um ponto de sutura eternamente mal ajustado, a inquietação mortal, uma secreta amargura, uma ruptura inconfessável, uma cicatriz nunca fechada.

Eles nem sequer apresentam essa abertura à graça que pode ser essencialmente o pecado. Como não estão feridos, não se encontram vulneráveis. Já que não lhes falta nada, nada recebem. Como nada lhes carece, não podem receber Aquele que é Tudo. O Amor de Deus não pode curar aquele que não apresente ferimentos.» - Charles Péguy, citado por Tadeuz Dajczer, em "Meditações sofre a Fé"

Talvez na tua vida haja também algo dessa terrível ferida que não cicatriza, talvez haja um inesquecível tormento, uma dor por ultrapassar, uma angústia de morte, talvez uma amargura de morte, talvez uma amargura dissimulada - uma das muitas que o mundo proporciona - qualquer coisa que se desmoronou. Consideras, então, que tudo acabou, quando na realidade se passa o contrário. Tudo isso deve ser para ti um canal de graça. Deus permite que sofras todas essas feridas e dificuldades para que te sintas fraco e, por meio desse fraqueza, te abras à graça." - Tadeusz Dajczer, em "Meditações sobre a Fé"

2 comentários:

Graça ivo disse...

jesus veio à terra trazer Amor. Falar do Amor. Dar Amor.
E foi tão ferido! Cuspido! Insultado! Amarrado e açoitado! Por fim,cruxificado!
E O Pai, que do Céu tudo assistia, ouviu Seu grito de solidão: Pai, por que me abandonaste?
Até o Filho, O Cristo, no Seu pior momento, mostrou que não é vergona ser ou sentir-se frágil.
Deus conhece nossa condição precária. E é quando nos reconhecemos sem saída, que Ele também nos abre o Céu e nos acolhe na Sua Graça . Nos acolhe na Luz e no Amor. E nos Salva para Ele.
É na Cruz que nos salvamos. É na dor que nos abrimos ao Amor.
Abraços aos amigos,muita LUz!
Graça

Felipe M.Nascimento disse...

teu blog é uma benção
gostei muito...
faz uma visita la no meu
www.blog-vidaprofetica.blogspot.com
Fik na Paz

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]