domingo, 12 de outubro de 2008

SÓ O AMOR CONVERTE (1ª folha)

"Nessa noite sonhei que tinha voltado ao velho sótão e pegado naquele livro forrado a pele que ali tinha visto e cujo título logo me tinha saltado à vista: Manual de Conversão. A capa estva em bom estado mas por dentro quase todas as folhas tinham sido arrancadas, a ponto de não restar um único parágrafo. Sobravam apenas quatro folhas. Em cada uma delas havia apenas uma gravura e uma legenda." - Nuno Tovar de Lemos s.j., em "O Príncipe e a Lavadeira"

É esse tesouro encontrado no velho sótão que vou partilhar convosco nos próximos dias. Esse Manual de Conversão que é uma resposta a uma questão fundamental: Como é que se faz para se ser melhor?

Preparem-se para uma viagem fantástica e revolucionária. Se se deixarem envolver e aderirem de espírito e coração abertos, é algo que pode mudar alguns paradigmas e crenças.



«Abri a primeira folha. A legenda dizia assim: "SÓ O AMOR CONVERTE"
Na gravura via-se Jesus à mesa, numa casa respeitável e – em primeiro plano – uma mulher cheia de colares e pulseiras. Tinha os cabelos despenteados e beijava demoradamente os pés do Senhor. A gravura retratava uma cena que S. Lucas descreve no capítulo 7 do seu evangelho.

Jesus tinha sido convidado para um jantar de gente piedosa, em casa do fariseu Simão. Inesperadamente, a meio do jantar, a porta abre-se e entra aquela mulher de perfume barato que todos bem conheciam da rua. Entra a chorar. Aproxima-se de Jesus, beija-lhe os pés, unge-os com perfume, lava-os com as suas lágrimas. Todos se indignam: "Como se atreve uma mulher desta espécie...?" Jesus não. Deixa-se tocar, não esconde o pé, deixa-se beijar. Não faz censuras, não dá lições de moral. No fim diz-lhe: "Vai em paz." Poder-lhe-ia ter dito "não voltes a pecar" mas nem era preciso. Bastou-lhe dizer "Os teus pecados estão perdoados. Vai em paz." Ela foi-se em paz, mudada.

Tocou-me o facto de que aquela noite tenha mudado por completo a vida desta mulher, enquanto que Simão, depois daquela noite, ficou apenas ainda mais igual a si próprio. Porque é que um mudou e o outro não? Também Simão esteve com o Senhor. Esteve até mais tempo. Foi até ele que O convidou para jantar!
Pensei que a razão era bastante simples. A mulher amou, ele defendeu-se do amor. A mulher aproximou-se de Jesus com uma enorme sede de amar e ser amada. Simão aproximou-se de Jesus para ter umas conversas interessantes e respeitáveis.
Ele e os seus amigos estavam realmente interessados na pessoa de Jesus, mas no fundo estavam agarrados às suas seguranças, ao seu estatuto social, à respeitabilidade da imagem que tinham criado para si próprios. Ela já não tinha nada a perder. Nem estatuto social, nem respeitabilidade, nem imagem de si própria.
Simão esperava de Jesus uma noite bem passada. Ela esperava de Jesus um momento de amor a partir do qual pudesse reconstruir a sua vida toda. Ela mudou, ele não.

Espanta que Jesus, o Salvador, não tenha aproveitado a oportunidade para recordar àquela mulher alguns princípios básicos de bons costumes. Estou convencido de que não o fez por uma razão muito simples: depois de sabidas todas as teorias, a única coisa que, de fundo, nos faz mudar é o amor.

"Só o amor converte", dizia a legenda, o amor dos outros e sobretudo o amor infinito e incondicional de Deus. Cair do alto das nossas seguranças e das nossas defesas para amar e se deixar amar, este é o maior segredo da mudança. » Nuno Tovar de Lemos, s.j. , em "O Príncipe e a Lavadeira"

6 comentários:

celebraii disse...

Olá, graça paz e bem!

Gostei do seu blog também!
Estou adicionando-te ao meu blogroll!

Forte Abraço!

Maria João disse...

Às vezes parece que temos medo de amar e ser amados...

beijos em Cristo e Maria

Júlio César disse...

A Paz do Senhor esteja contigo, Paulo.

É, realmente o amor de Deus pode fazer mudanças radicais, pelo fato de estar tão intimamente ligado à graça Dele, ou seja, um amor que não merecíamos, nunca podemos fazer nada para merecê-lo, e que não nos custou NADA e a Deus TUDO...

Realmente Deus nos ama, pois Ele nos provou duas vezes:

-Quando Ele tanto nos amou, QUE ENVIOU SEU FILHO UNIGÊNITO.
(Um Amor Que Não ficou só NAS PALAVRAS, MAS PARTIU PARA a AÇÃO, sendo que foi uma ação realmente levada ao extremo);

-E Deus também provou que nos ama, pois Cristo morreu por nós, quando ainda éramos pecadores.

"Nunca podemos ignorar o fato de que é o amor de Deus que nos leva ao arrependimento"

É, realmente Deus nos ama !

um grande abraço.

joaquim disse...

Com efeito tantas vezes apenas O deixamos entrar em partes das nossas vidas e não no seu todo.

Tantas vezes apenas O queremos naquilo que vai mal, segundo o nosso juizo, mas não queremos que Ele incomode o que fazemos e nos dá prazer embora sintamos que não está muito certo.

Tantas vezes que apenas O "vemos" naqueles que nos agradam, mas não O "conseguimos ver" naqueles que não nos são agradáveis.

Tantas vezes que O "intelectualizamos", e não deixmos que Ele nos conduza como crianças à procura da Verdade.

Só na entrega de amor, em amor e por amor pderemos deixar-nos tocar por Ele e assim vivermos na paz que Ele mesmo nos dá e envia a testemunhar.

Abraço amigo em Cristo

Ecclesiae Dei disse...

Concordo com o Joaquim, deixamos que Ele entre em somente partes da nossa vida. Que Ele nos ajude a amar!!

Faculdade Evangélica SP disse...

Muito bom o blog, realmente muito instruitivo, vou passar o endereço adiante.
faculdade evangelica

As velas

"Nas igrejas nada reza excepto as velas. Elas perdem todo o seu sangue. Consomem todo o seu pavio. Não reservam nada para elas, d...