terça-feira, 26 de junho de 2007

«Amas-me?»


«Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? Respondeu-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeirinhos. Tornou a perguntar-lhe: Simão, filho de João, amas-me? Respondeu-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Pastoreia as minhas ovelhas. Perguntou-lhe terceira vez: Simão, filho de João, amas-me? Entristeceu-se Pedro por lhe ter perguntado pela terceira vez: Amas-me? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas; tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta as minhas ovelhas- João 21, 15-17
O mistério insondável de Deus é que Ele é um Enamorado que quer ser amado. Aquele que nos criou está á espera da nossa resposta ao amor que nos deu o ser. Deus não diz apenas: «Tu és o meu amado», mas pergunta também: «Amas-me?», oferecendo-nos inumeráveis oportunidades para dizer «sim». É isso a vida espiritual: a possibilidade de dizer «sim» à nossa verdade interior.

A vida espiritual, assim entendida, muda tudo radicalmente. Nascer e crescer, deixar a casa e prosseguir uma carreira, ser admirado e ser rejeitado, caminhar e descansar, orar e distrair-se, ficar doente e ser curado - sim, viver e morrer - tudo são expressões desta pergunta divina: «Amas-me?». E, em todos os pontos da jornada, há a opção entre dizer «sim» e dizer «não».

Henri Nouwen, Viver é ser amado

Um comentário:

Marlene Maravilha disse...

Sim, eu reconheço o amor de Jesus por mim e o amo sobretodas as maneiras! Estas são as minhas primeiras palavras pelas manhãs ao acordar e as noites ao deitar!
Aonde está o povo que comenta neste blog? Estão todos de férias??
Vou recomendá-lo por merecimento!!!
É muito bom e precisa ser visitado!
abraços

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]