domingo, 15 de novembro de 2009

A LINGUAGEM DE DEUS

«Deus fala-nos em todo o tempo. Fala-nos desde sempre na Sua linguagem, nesta severa e simples linguagem da nossa existência quotidiana.
E nós não O ouvimos porque preferíamos que Ele falasse na nossa linguagem, na linguagem da felicidade como nós a sonhamos, através de pobres e estúpidas satisfações de sentimento, de amor-próprio ou de conforto, únicas mensagens que estamos decididos a reconhecer como suas.

Mas Deus fala-nos na Sua linguagem, com perseverança. Deus fala-nos nessa língua, para nós desconhecida e que temos repugnância em aprender, da aceitação, do sacrifício, da renúncia, do plano prodigiosamente vasto, inimaginavelmente audacioso, duma generosidade inconcebível, pelo qual Ele nos quer salvar, a nós e o mundo.

Deus fala-nos sem cessar através dos acontecimentos da nossa vida, através da obstinação com que Ele contraria os nossos mesquinhos arranjos humanos, pela regularidade com que decepciona os nossos projectos e as nossas tentativas de evasão, pelo fracasso perpétuo de todos os nossos cálculos para nos dispensarmos d`Ele.
E pouco a pouco, Ele nos educa e nos familiariza. E um dia, quando estamos cravados numa cama, humilhados por um fracasso, isolados por uma desgraça, esmagados pela sensação da nossa impotência; um dia, Ele consegue resignar-nos a escutar a Sua linguagem, a admitir a Sua presença e a reconhecer a Sua Vontade.

E percebemos então que Ele nos falava a toda a hora

Louis Evely, em "Sofrimento"

Nenhum comentário:

As velas

"Nas igrejas nada reza excepto as velas. Elas perdem todo o seu sangue. Consomem todo o seu pavio. Não reservam nada para elas, d...