quarta-feira, 9 de maio de 2007

Eu sou importante?


Será que somos importantes? Aqui na terra, Deus experimentou na carne por 33 anos o que é ser um de nós. Nas histórias que contou e nas pessoas cuja vida tocou, Jesus respondeu de uma vez por todas a essa pergunta renitente.

Jesus disse que Deus é como um pastor que deixa 99 ovelhas no aprisco para ir em busca frenética da única que se perdeu; como um pai que não consegue parar de pensar no filho ingrato, mesmo tendo outro que lhe obedece e o respeita; como um anfitrião rico que abre as portas da sala de banquete para um bando de pedintes e vagabundos. Deus ama as pessoas não como raça ou espécie, mas como tu e eu as amamos: uma de cada vez. Somos importantes para Deus. Num breve momento em que Jesus puxou a cortina entre o mundo visível e o invisível, ele disse que os anjos se alegram com cada pecador que se arrepende. Um acto solitário que acontece neste pequeno planeta reverbera por todo o cosmo.
Em seus contactos sociais, Jesus saía do caminho normal para abraçar os não amados e indignos, aqueles sem muita importância para o resto da sociedade, mas muito importantes para Deus.

As pessoas com lepra, em quarentena fora dos muros da cidade, Jesus tocou-as mesmo que os seus discípulos retrocedessem com repulsa. À mulher de raça mista que já tinha tido cinco maridos e com certeza era o alvo preferencial da bisbilhotice e do maldizer das pessoas da cidade, Jesus fez dela a primeira missionária. Outra mulher, envergonhada demais com a sua condição humilhante para se aproximar de Jesus face a face, tocou na sua roupa, torcendo para que ele não notasse. Mas ele notou a sua presença. Ela aprendeu, como tantos outros "desconhecidos", que não é fácil escapar do olhar de Jesus. Somos importantes demais.

O romancista Reynolds Price disse que há uma frase que toda a humanidade anseia escutar: " O Criador de todas as coisas ama-me e quer-me". Essa foi a frase que Jesus proclamou, tão alto quanto um doce trovão. O Criador de todas as coisas é o Criador de todos os seres humanos, uma espécie ímpar que ele inexplicavelmente considerou digna de atenção e amor individual. Ele demonstrou esse amor em pessoa, nas colinas enrugadas da Palestina e por fim numa cruz.

Philip Yancey, A Bíblia que Jesus lia

3 comentários:

Gwenyfar disse...

Ah, que bonito isso! Pensar que eu sou importante pra Ele...uau...bom pra passar o dia pensando! :)

Abraço!

Luis Carlos disse...

Olá Paulo,

Sim, somos todos importantes para Deus.

Há apenas uma questão.

Quando diz "Deus experimentou na carne por 33 anos o que é ser um de nós", eu diria: Deus experimentou e continua a experimentar eternamente o que é ser um de nós.

Deus não é exclusivista ao ponto de Jesus ser o único a ser Deus, todos nós somos Deus (eu não disse "somos um deus"), e esta era e é a mensagem de Jesus, mas era boa demais para ser verdade, e não acreditaram nele. Depois, ainda conseguiram deturpar esta mensagem transformando Jesus num deus que necessita ser adorado e bajulado.

Até já,
Luís Carlos

jc disse...

Antes de mais, obrigado pela visita "Casa".

Obrigado por me relembrares isto; na verdade, esquecemo-nos facilmente dEle. Mas para Ele somos sempre importantes...

Além de que Philip Yancey é um dos meus autores favoritos... E este é um dos que mais gosto.

Bênçãos

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]