quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

QUANDO EU FOR GRANDE...


"Quando eu for grande, Pai, quero ser Bom como Tu.

Quando eu for grande, Pai, quero ter entranhas de misericórdia que se comovam, revolvam e resolvam diante do sofrimento dos outros. 
Quero saber o Nome de muita gente, sobretudo daqueles que não têm Nome, 
que perderam a cara ou a deixaram colada a alguma máscara antiga, 
que deixaram a dignidade escondida numa cova qualquer 
à espera do dia em que possam voltar a buscá-la. 
Quero ter histórias para contar com gente que não conta para ninguém! (...) 

Quando eu for grande, Pai, é porque finalmente perdi a mania das grandezas. 
Vou amar o que é pequeno e encantar-me com a fragilidade, 
entusiasmar-me com a dádiva e emocionar-me com a debilidade, 
vou amar a carência e entregar-me inteiramente sem esperar recompensa."

Rui Santiago Cssr, in "Ora Vê"

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

FELIZ...

«Feliz aquele que, diante da taça cheia e inebriante que é a vida de Jesus, não cai na tentação de juntar água ao vinho.
Feliz aquele que não vai, nas costas de Cristo, compor as bancas que ele quebrou e restaurar os estragos que ele fez.
Feliz aquele que não se escandalizar com Jesus até ao ponto de o “domar”.»

Rui Santiago Cssr

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

CONVITE


«Vamos ressuscitados, colher flores!
Flores de giesta e tojo, oiro sem preço…
Vamos àquele cabeço

Engrinaldar a esperança!
Temos a Primavera na lembrança;
Temos calor no corpo entorpecido;
Vamos! Depressa!
A vida recomeça!
A seiva acorda, nada está perdido!»


Miguel Torga

domingo, 8 de janeiro de 2017

"É importante que, na nossa oração, nos ponhamos diante da luz, do amor, e não perante um conjunto de leis". 

[Paolo Scquizzato]

sábado, 7 de janeiro de 2017

A felicidade de Jesus

Não é difícil desenhar o perfil de uma pessoa feliz na sociedade do tempo de Jesus. Seria o caso de um homem adulto e de boa saúde, casado com uma mulher honesta e fecunda, com filhos homens e terras ricas, observante da religião e respeitado em seu povoado. O que mais se podia pedir?

Certamente não era este o ideal ao qual Jesus aspirava. Sem esposa nem filhos, sem terras nem bens, percorrendo a Galileia como um ambulante, sua vida não correspondia a nenhum tipo de felicidade convencional. Sua maneira de viver era provocativa. Se era feliz, o era de maneira contracultural, ao revés do estabelecido.

Na verdade, Ele não pensava muito em sua felicidade. Sua vida girava muito mais em torno de um projeto que o entusiasmava e o fazia viver intensamente. Esse projeto se chamava “Reino de Deus”. Parece que só era feliz quando podia fazer felizes os outros. Sentia-se bem devolvendo às pessoas a saúde e a dignidade que lhes foram arrebatadas injustamente.

Não buscava seu próprio interesse, mas vivia criando novas condições de felicidade para todos. Não sabia ser feliz sem incluir os outros. Propunha a todos critérios novos, mais livres e radicais, para construir um mundo mais digno e feliz.

Acreditava num “Deus feliz”, o Deus Criador que olha com amor entranhável todas as suas criaturas, o Deus amigo da vida e não da morte, mais atento ao sofrimento das pessoas do que a seus pecados.

A partir da fé nesse Deus, rompia os esquemas religiosos e sociais. Não pregava “Felizes os justos e piedosos, porque receberão o prêmio de Deus': Não dizia “Felizes os ricos e poderosos, porque contam com a bênção de Deus”. Seu clamor era desconcertante para todos: “Felizes os pobres, porque Deus será sua felicidade”.

O convite de Jesus vem a dizer isto: “Não busqueis a felicidade na satisfação de vossos interesses, nem na prática interessada de vossa religião. Sede felizes trabalhando de maneira fiel e paciente por um mundo mais feliz para todos”.

Trecho do livro “O Caminho Aberto por Jesus”, de José Antonio Pagola, Editora Vozes.

- See more at: http://www.franciscanos.org.br/?p=97321#sthash.d02N0Ufi.dpuf

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

IMPERFEIÇÕES

«Sermos nós próprios é percebermos o caminho da imperfeição.
O que nos mata é essa perseguição da perfeição. Não temos de ser perfeitos. Temos de ser inteiros.
A verdadeira perfeição é a de quem não tem pés e não desiste de andar. Este não desistir de si é o essencial.»
José Tolentino de Mendonça

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Como o Pai de Jesus e Pai Nosso nos vê:

"Deixa-me mostrar-te do que és capaz!
Dentro de ti, quero ensinar-te a ver cada coisa com o seu real tamanho e valor, porque às vezes vês grandes demais problemas pequenos, e não prestas atenção a grandes maravilhas… Como tu!
Quando aprenderás a olhar para ti como se contempla uma maravilha? Quando aprenderás a ver-te como eu te vejo?
Não te olho à procura de perfeições, não existe em mim qualquer moralismo, não te exijo que sejas diferente do que és para gostar de ti e para me encantar ao olhar-te. Basta-me que sejas assim como és. Não compliques…
Se tu soubesses do que és capaz, tirarias finalmente muitos projectos da gaveta do teu Coração e darias passos que antes julgavas maiores do que as pernas. 
Porque se tu soubesses do que és capaz, as tuas pernas cresceriam…"

Nada é grave...

"Nada é grave, a não ser perder o amor." [Irmão Roger de Taizé]